Páginas

21 junho 2010

À Borda do Prato

No Sábado, com assistência, cozinhei Lasanha de Franga Desfiada, na casa da Sara (la badalhôca) para um grupo de amigos. Um ou outro não gostou de um ou outro ingrediente e deixou-o à borda do prato. Na verdade, não é de ingredientes que venho falar.

Ao longo da vida nós vamos metendo coisas à beira do prato para além da comida. Uma situação, uma amizade, um namoro, um(a) ex-namorado(a)... Acho que o principal motivo é a evolução, a nossa evolução, o nosso crescimento, a nossa experiência.

Enquanto miúdo nunca tive grande queda para amizades. As minhas fracas amizades foram sempre com membros do sexo feminino (com excepções claro!), que eram consideradas "quase p*tas" (em vários sentidos) ou "simplesmente p*tas". Sabia eu que devia lutar pelas amizades ou simplesmente sabia que não valia a pena?

Não sei, a verdade é que à medida que fui crescendo fui colocando de partes algumas, muitas, amizades. Suponho que seja perfeitamente comum. Nós evoluímos, os nossos gostos, ambições, desejos mudam e portanto é normal que tenhamos de acompanhar essa evolução, mesmo que as pessoas à nossa volta não.

Outras vezes essas pessoas magoam-nos e não sabemos lidar com isso; já não temos nada a ver com a outra pessoa, não existe qualquer identificação ou partilha; ou então, perdemos a paciência, deixamos de ignorar atitudes, acções e deixamos de regar a amizade, encontrando-a cada vez mais murcha.

No que toca a relacionamentos amorosos, julgo que a coisa seja mais complexa. Cada caso é um caso. Porque se continuamos a evoluir e a outra pessoa não, se os interesses divergem, se a outra pessoa não quer evoluir connosco ou até nos proíbe de evoluir, forçando sobre nós uma jaula... O amor vem, mas o amor vai. O amor não é impossível, mas dá trabalho. A maioria das pessoas é comodista e não se quer dar ao trabalho...

*Portanto dia após dia, colocamos coisas à borda do prato. Deveríamos preocupar-nos? Eu acho que não, a vida é curta e tem de continuar e nós temos de descobrir o que é melhor para nós, o melhor lugar para nós, as pessoas e depois temos de aproveitar ao máximo. Pode ou não durar para sempre, mas ao menos vamos tentar!

6 comentários:

Diaboderoupacurta disse...

Isso é que é pensamento positivo, muito bem! :D

PS: Eu ia dizer mais alguma coisa mas houve uma imagem de um dos teus seguidores que me desviou a atenção...:X

Anónimo disse...

na tvi, vai dar uma reportagem sobre a homosexualidade na familia as 21!!!

Filipe M. disse...

Obrigado Anónimo, acabei por perder a reportagem, infelizmente...

=/

LoL Diabinha, deixa-me adivinhar qual foi... 'Miguel'?

Anónimo disse...

aqui tens o link!! foi uma reportagem linda. Sem palavras para descrever o que vi, e o que senti!
http://www.tvi24.iol.pt/eu-vi/ana-leal-reporter-tvi-tvi24-por-vergonha-de-amar-reportagem/1171699-4646.html

pinguim disse...

Uma bela reflexão...

Luís Fernandes disse...

Tou a ver que a noite do jantar na casa da Sara foi mto mais do que um simples jantar, gostei da noite e do que escreveste também