Páginas

07 fevereiro 2011

Detalhes de um Filme Porno

Para aqueles de vós, que conhece as redondezas de Loures, Odivelas, Torres Vedras, Malveira e afins, sabe que isto é tudo terra de saloios, velhos, chungas e muito pouca gente atraente. Ora, para pessoas que, como eu, trabalham como cashier (chique hein?!) que estão habituadas a ver velhos, chungas, feios, mastronços e a cheirar todo o tipo de odores, sabem perfeitamente que quando vem uma pessoa assim para o atraente, que nós aproveitamos os momento para refrescar as vistas. E foi isso que aconteceu hoje, no entanto eu não refresquei só as vistas, refresquei a mente... criei fantasias, fui ao céu, à lua e arredores. Voltei... e ele continuava ali para eu poder observar.

Ele entrou pela porta agarrado a uma mala, alto, musculado. Vestia de fato de treino e levava uma camisola de lã, verde. Justa. Atravessou os corredores e saiu da loja, foi buscar um carro. Consegui ver-lhe cada curva do corpo. Mais cedo ou mais tarde teria de vir para a caixa. E veio... veio perguntar-me onde estava o arroz. E eu disse-lhe, claro! E vi, como as calças de fato de treino eram justas, como se notava o rabo saliente e musculado, como se notava o pénis, arrumado para baixo, em arco. Também era saliente. Ele lá foi em busca do arroz.

Nunca na minha vida fui tão rápido a despachar clientes... a minha caixa tinha de estar vazia. Ele tinha de vir para a minha caixa! Eu não posso começar a passar os artigos enquanto os clientes não descarregarem o carrinho todo (nunca gostei dessa teoria estúpida, até hoje!), enquanto ele descarregava eu observava: sempre que se baixava ou esticava a camisola justa subia-lhe e ele mostrava os abdominais, o V da barriga, mostrava a sunga e isto em modo repetitivo. Quando terminou, comecei a passar-lhe os artigos e perguntei se queria saco. Fui invadido por calores que me obrigaram a concentrar no meu trabalho. Mas de vez em quando lá ia eu vendo ele de rabinho para o ar a guardar este ou aquele artigo e eu e meia dúzia de pessoas agradecemos.

No final, pagou a um funcionário meio atordoado pelo que lhe ia na alma... e afastou-se. Apenas 1 metro. E começou a arrumar melhor os sacos e uma mala. E a história repetia-se. Fiquei de lado para ele enquanto passava os artigos só para ir vendo a técnica, a forma maravilhosa como ele enfiava os artigos no pacote.

Aiiiiiiii....!

9 comentários:

Speedy disse...

se ele pagasse com cartão, decoravas o nome e adicionavas no facebook :D. depois era dar uma de stalker

LusoBoy disse...

Isso era mesmo à "stalker" XD.

Cp disse...

Mas era algum Deus Grego?
Esperemos que ele volte! O_O eh eh

Individual(mente) disse...

"a forma maravilhosa como ele enfiava os artigos no pacote."
Traduzido por miúdos: "o que eu realmente gostava era que ele me enfiasse o artigo no pacote".
Acertei? :)

Filipe M. disse...

Individualmente, acertaste sim.

CP era mais um Deus Brasileiro

Speedy nem sei como não me lembrei disso... ele pagou com cartão.

Eric disse...

Vale a pena ser "cashier", para ver esses clientes.
Tu, maroto que és, até pudias ter dito: Quer que lhe segure o pacote? ou algo assim que envolva pacote LOL
Com muita sorte ele volta lá.

pinguim disse...

Que bela fantasia...porra!
Até eu já estava a ver o filme...

um coelho disse...

Como é que ele paga com cartão e tu não olhas para o nome? Nem parece teu! Estavas demasiado concentrado no pacote dele?

Filipe M. disse...

Coelho, parece que sim. Devia estar distraído com alguma coisa :P