Páginas

28 abril 2011

Detalhes da (Maldita) Depressão!


Começou no domingo e só acabou hoje.

De modos que apesar de bem, como devem ter percebido pelo post sobre a noite anterior, eu ainda estava de ressaca (a escrita estava muito boa, graças ao meu estado grogue). Estou habituado a almoçar e jantar sozinho, a estar enfiado no quarto, ou a não estar de todo em casa. Trabalho aos fins-de-semana, portanto graças a Deus tenho poucos momentos em família. 

Mas no Domingo à noite e porque a namorada do inútil do meu irmão jantava cá, resolvi ser simpático e oferecer a minha companhia. Portanto, a minha mãe chamou-nos para a mesa, uma e outra vez e eu lá acabei por ir. Ainda ninguém tinha aparecido. Devo ter estado uns 10 minutos à espera que viessem todos para a mesa, os quais passei a brincar com a faca e quase a cortar os pulsos (pelos menos mentalmente).

Ora o jantar foi o mais deprimente possível. Eu e o meu irmão não nos falamos, a namorada do meu irmão e eu não nos falámos por ele estar presente, o meu pai pouco conversou porque estava com atenção à TV e também para não discutir com a minha mãe (porque é essa a 'conversa' entre eles). A única pessoa ali a fazer um esforço, foi a minha mãe que para tentar manter a normalidade falou de tudo o que lhe veio à cabeça (e que acabou por chatear tudo e todos, até começarem a perder a cabeça com ela). Eu mantive-me calado, na minha... mas chegou a uma altura em que não aguentei, não acabei de jantar e vim embora e como de costume refugiei-me no quarto. E a partir daí foi a avalanche de maus pensamentos atrás de maus pensamentos. Sentia-me mal, a pensar na frustração da minha mãe, a tentar manter uma conversa normal, num jantar de uma família normal (que de normal não tem nada), a pensar na minha frustração, a pensar na merda de família que tenho. 

Sabem quanto mais pensam em merda... mais merda atraem... foi isso! 

No dia a seguir fui trabalhar e claro, estou um dia inteiro sem conversar. Falo de banalidades ou de banalidades robóticas (boa tarde, quer saco? obrigado, boa tarde.) E saí e... vim para casa, para o mesmo ambiente. 

Ontem, tive o dia todo na cama. A dormir! Só me levantei para ir à wc, comer e jogar computador. Foi o menino Tiagolas que me acordou para a vida com as suas conversas normais e não profundas, mas com alguma profundidade! Mas mesmo assim... ainda fiquei meio falecido, meio na merda. 

Hoje... acordei, fui tomar banho, tive no pc um bocado... almocei meti música e dancei. E arrumei o quarto e o guarda roupa. Não estou a brincar, quando digo que deitei tudo o que não me servia ou ia voltar a vestir fora. Neste momento, toda a roupa da minha fase mais gordinha está algures noutro quarto a ser passado a pente fino pela minha mãe para ser entregue a alguém que precise! Limpei o pó, arrumei a secretária e arrumei-me a mim mesmo. Importa dizer que a JLo foi tão importante como o Tiagolas... porque fartei-me de ouvir e dançar o 'On the Floor' enquanto metia a roupa toda num monte! 

The Bitch is Back, Bitches!

6 comentários:

tiago disse...

Sou tão bom. E tão superficial. E tão pouco profundo. Has-de cá vir.

Uma pessoa cheia de problemas e vem aqui agora saber que é só normal.

:p

O-Riordan disse...

Essa família dá-me recordações... diárias. Oui, welcome to the jungle.

COnto os dias que faltam para sair deste buraco, e acredita que quase todos os dias olho para a folha "teórica" de despesas mensais quando se tem uma casa e penso "um dia são as minhas contas a sério", e isso significa que já estarei longe daqui, do ninho dos meus pais.

Be strong. * ;)

Miguel disse...

Bem, a minha família já foi assim, mas com muito esforço de lavagem cerebral, as coisas melhoraram e muito...

I am glad that you are back, you big fuc*** bitch XD lol

Hug

pinguim disse...

Tenho que concordar contigo; conviver com a tua família não te deve ser nada fácil.

Ikki disse...

Nunca passei por uma situação desse género, pelo que não me posso pôr na tua pele! Mas imagino que seja muito complicado!
Apenas te posso desejar força! Um dia as coisas mudam, quanto mais não seja quando saíres de casa.
Abraço!

Marco disse...

Desculpa lá se não percebi se estás ou não a sofrer de depressão. Felizmente ultrapassei a minha (penso eu) com a ajuda do Dr. João Paulo Pereira, da clínica Eme Saúde, a quem fica o meu grande muito obrigado.