Páginas

31 agosto 2010

Ora bem...

O que um ano na caixa do pingo doce de Loures me ensinou foi a ter muita calma, não ligar ao que os clientes, incrivelmente estúpidos dizem ou pensam e muito menos preocupar-me com certas coisas. Portanto meninas... sou aquele anormal que quando os adorados clientes estão a discutir com ele, se desmancha a rir.

Sábado 28-08

O trabalho perfeito. Os clientes são bem educados, há bom ambiente na loja, os colegas são porreirinhos e de vez em quando vê-se umas coisas engraçadas para o meu alto nível de curiosidade. Senhoras com bigode, pessoas tresloucadas, pessoas escarchadas e pessoas simplesmente estúpidas.

Uma colega minha foi à caixa e eu perguntei:

- Queres saco?
- Oh rapaz, eu não levo no saco eu levo no pacote.

Se eu me rio quando estou a levar nas orelhas dos clientes o que estavam à espera que eu fizesse quando me dizem isto? Fazer xixi na cueca, claro.

Domingo 29-08

Alguma coisa não está bem... mas não vale a pena pensar nisso porque vi finalmente a relação platónica da minha vida. Ou melhor, do dia. A minha opinião geral dos heteros é que são uns bimbos. E quando vemos um hetero jeitoso esperamos que mal abra a boca encarne um Cristiano Ronaldo, que nos deixa logo cheio de vómitos. Ele não era assim... tinha uma voz agradável, sorriu, agradeceu, foi simpático e deixou-me que nem uma gaja, cheio de múltiplos orgasmos.

Segunda 30-08

Menina... o pior tá para vir.
Cheguei ao meio dia, mandei os emplastros (afinal há um colega que me deixa chei da nerves) e fiquei sozinho na caixa. Mas afinal não é tudo um mar de rosa... os clientes são estúpidos, fazem compras de 100 euros e depois lembram-se que só têm 30 para gastar. Esquecem-se da carteira no carro. Têm um dialecto estranho e dificilmente perceptível. São indianos e levam doses industriais e dão-me cabo do juízo. Ou são simplesmente estúpidas.
Às 12h10 já estava quase a haver merda na minha caixa, já andavam clientes a querer bater num home que se tinha esquecido da carteira no carro e depois queriam-me bater a mim porque não anulei a compra.

Depois quando o emplastro voltou, por ser novo, está sempre a meter-se no meu trabalho e a mandar bitaites. Bitaites pouco úteis à sociedade. Chamou um chefe para vir à minha caixa e por causa dele eu levei nas orelhas... porque 'chamei' o chefe.

Os meus colegas são todos os bimbos da treta e honestamente eu acrescento algo muito interessante ao quadro dos funcionários: eu sou simpático e sorriu, embora muitas vezes esteja secretamente a desejar a morte a algumas pessoas. Ups.

Mas esperem pelo momento em que eu vi a luz...! Agora tenho de ir a Lisboa e não me quero atrasar!

3 comentários:

Francisco disse...

És muito engraçado! XD
[]

Zoninho disse...

já fui caixa e fazia (tentava - às vezes, simplesmente, não dava) o mesmo: rir, sorrir, pensar no que seria a próxima refeição...

a do saco é para a tua colecção pessoal!!!

a cena de domingo é pena: relações platónicas não dão com nada.

mas... tu viste a luz! o estádio?

vá, arranja-te e não te atrases ;)

Ricardo disse...

Haha ja tinha saudades destes posts confesso.